Notícias

< voltar
18/Dez/2018 - 10:32 - Atualizado em 18/Dez/2018 - 11:26

Adolescentes desenvolvem game que facilita o aprendizado da matemática

Maratona de programação, realizada em Uberlândia, reuniu jovens com idades entre 12 e 17 anos


Por Redação Belo Horizonte/MG
Crédito: Beez Network/Divulgação

Domingo foi um dia super produtivo e inspirador para, aproximadamente, 70 jovens programadores, com idades entre 12  e 17 anos, que participaram do Hackathon Play for Education, realizado pela SuperGeeks - uma das referências em ensino de Ciências da Computação para crianças e adolescentes, e pela Beez, uma aceleradora de negócios de Uberlândia. Com mais de 10 horas de duração, ele desenvolveram um jogo que ajuda no aprendizado da matemática.

A equipe vencedora da primeira edição do hackathon foi a Carrots. Composta pelos estudantes Rafael, Juan e Fábio, ela desenvolveu um Game em três dimensões, com o objetivo de responder perguntas matemáticas. Por meio dos desafios, o jogador passava de nível. Ao final, os garotos foram premiados com R$ 500.

“Nossa ideia é auxiliar uma geração que encontrará postos de trabalho oriundos da nova Revolução Industrial. No nosso entendimento, ensinar programação hoje é algo tão necessário quanto aprender outro idioma foi para os jovens de 10 ou 15 anos atrás. Esse hackathon mostrou para estudantes o quanto programar pode ser importante”, afirma Maurício Ricardo, sócio da SuperGeeks de Uberlândia e cartunista do site Charges.com.br

O Hackathon foi apenas uma entre muitas atividades que a escola realiza durante o ano para que tem como lema ir além da programação e da robótica. “Queremos preparar nossos jovens para um futuro em que o trabalho e o emprego sofrerão profundas e rápidas transformações”, explica Maurício.

Crédito: Beez Network/Divulgação

#hackathon#uberlândia#SuperGeeks#gameseducativoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.