Notícias

< voltar
21/Dez/2017 - 08:00 - Atualizado em 19/Dez/2017 - 09:47

Brasil é o país com mais igualdade entre os gêneros na ciência

Quase metade das publicações brasileiras são de mulheres; a bióloga Fernanda Werneck foi premiada pela Fundação L’Oréal


Por Redação

Nos últimos 20 anos, o número de mulheres que publicam artigos científicos no Brasil cresceu 11%, segundo estudo da Gender in Global Research Landscape. Por aqui, 49% do total das publicações são de mulheres. O Brasil, aliás, é, ao lado de Portugal, o país com o maior número de autoras de trabalhos científicos.

Ainda assim, segundo o Boston Consulting Group (BCG), apenas 30% dos pesquisadores de todo o mundo são mulheres. Apenas 3% dos prêmios Nobel na área científica foram atribuídos a elas, desde 1901, quando foi criado.

Mas um dos destaques da área, aqui no Brasil, é a bióloga Fernanda de Pinho Werneck, pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Ela foi agraciada com o prêmio internacional Rising Talents, pela Fundação L’Oréal, em parceria com a Unesco. A premiação é dada às 15 jovens cientistas de todo o mundo.

A fundação selecionou as cientistas por um júri entre as 250 vencedoras das edições nacionais do programa “Para Mulheres na Ciência”. Pelo Rising Talents, ela recebeu uma bolsa de 15 mil euros para suas pesquisas.

Fernanda estuda os efeitos das mudanças climáticas na vida animal, sobretudo répteis e anfíbios, mais sensíveis às alterações de temperaturas. Suas pesquisas estimam os riscos de extinção e a capacidade de adaptação de espécies que vivem na Amazônia e no cerrado brasileiro, assim como áreas de transição entre esses dois biomas.

A pesquisadora é formada pela Universidade Federal de Brasília e tem doutorado em biologia integrativa pela Universidade de Brigham Young, nos Estados Unidos.

#pesquisa#ciência#prêmio#empoderamento#biologiaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.