Notícias

< voltar
04/Jan/2019 - 08:01 - Atualizado em 03/Jan/2019 - 12:08

China lidera pedidos de propriedade intelectual no mundo

País foi responsável por quase metade dos registros em todo o mundo em 2017, segundo a Organização Mundial de Propriedade Intelectual


Por Redação Belo Horizonte/MG

Em 2017 cerca de 3,17 milhões de pedidos de patentes foram feitos em todo o mundo. O número corresponde a um aumento de quase 6% ao ano, conforme relatório de 2018 da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO).

O documento aponta que a China é responsável pelo maior volume de aplicações de pedidos de patentes, marcas registradas, desenhos industriais e outros direitos de propriedade intelectual que estão no centro da economia global.

"A demanda por proteção da propriedade intelectual está aumentando mais rapidamente do que a taxa de crescimento econômico global, ilustrando que a inovação apoiada por propriedade intelectual é um componente cada vez mais crítico da concorrência e da atividade comercial", destacou o diretor-geral da WIPO, Francis Gurry.

Em apenas algumas décadas, a China construiu um sistema de propriedade intelectual e juntou-se aos líderes de propriedade intelectual do mundo. O escritório chinês recebeu o maior número de pedidos de patentes: 1,38 milhões, enquanto os EUA registraram 607 mil, Japão 318 mil, Coreia do Sul, 205, e o Escritório Europeu de Patentes 167 mil. Esses cinco escritórios correspondem a 84,5% do total de pedidos registrados em todo o mundo.

O número de aplicações de desenhos industriais da China representa 50,6% de todos os pedidos de design industrial. O número de pedidos de marcas registradas por chineses aumentou em cerca de 55%, representando 46% de todos os pedidos de marcas registrados.

Em sua grande parte, os pedidos de patentes chineses se referem, principalmente, a dispositivos eletrônicos e tecnologias de computação e telecomunicações digitais.

#inovação#tecnologia#patente#ChinaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.