Notícias

< voltar
26/Fev/2019 - 08:02 - Atualizado em 27/Fev/2019 - 09:45

Conheça duas iniciativas que ajudam na acessibilidade de pessoas com deficiência auditiva

Aplicativo traduz filmes para a linguagem de sinais; por outro lado, luvas entendem movimentos da linguagem de sinal e vocaliza informações


Por Redação Belo Horizonte/MG
Aplicativo Actiview funciona, por enquanto, apenas com a linguagem de sinais americana
Crédito: Actiview

Uma startup americana desenvolveu um aplicativo que promete ajudar, e muito, deficientes auditivos a assistirem filmes. O Actiview sincroniza vídeos e a interpretação da língua de sinais e facilita a compreensão de pessoas surdas.

O serviço foi usado pela primeira vez para a animação de “Carros 3”, e depois para o lançamento de “A Era do Gelo 4”. Agora, o projeto tem novos parceiros para aumentar a oferta de filmes e conta com “Extraordinário” e todos os filmes da saga “Jogos Vorazes” também em sua carta de serviços.

O funcionamento do aplicativo é bem simples. Basta que o usuário assista ao filme em qualquer plataforma disponível e acione o aplicativo em uma segunda tela, como um smartphone ou tablet. O app “escuta” o filme e sincroniza a interpretação da língua de sinais.

O app, que tem como foco filmes infantis, utiliza a Língua de Sinais Americana e está disponível para iOS.

Luvas que falam

Roy Allela criou as luvas que traduzem movimentos para ajudar a sua sobrinha a se comunicar com sua família
Crédito: Brett Eloff/Royal Academy of Engineering

Outra inovação que promove a acessibilidade foi desenvolvida por Roy Allela, proprietário da Sign-IO. As luvas desenvolvidas por ele traduzem os movimentos da linguagem de sinais em áudio.

Roy tem uma sobrinha surda e ele pensou como seria difícil para a jovem se comunicar com a família, que não sabia linguagem de sinais. Funcionário da Universidade de Oxford, ele colocou as mãos na massa e desenvolveu a luva.

A Sign-IO possui sensores flexíveis costurados em cada dedo, que quantificam a curva dos dedos e processam sinais. As luvas são conectadas por bluetooth a um aplicativo de celular, também desenvolvido por Allela, que vocaliza as letras.

Os usuários também podem configurar a linguagem, o gênero e o tom da vocalização por meio do aplicativo, com resultados precisos que chegam a 93%, diz Allela.

#empreendedorismo#inovação#inclusão#acessibilidade#tecnologiaassistiva#pessoacomdeficienciaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.