Notícias

< voltar
05/Jun/2018 - 10:37 - Atualizado em 05/Jun/2018 - 11:21

Inteligência artificial promete agilizar a tramitação de processos no STF

Expectativa é que a ferramenta batizada de VICTOR reduza processos em dois ou mais anos


Por Redação Brasília/DF

O Supremo Tribunal Federal, em parceria com a Universidade de Brasília, está desenvolvendo uma ferramenta de inteligência artificial (I.A) com o objetivo de agilizar a tramitação de processos. Batizado de VICTOR, o projeto vai ler todos os recursos extraordinários que sobem para o STF e identificar quais estão vinculados a determinados temas de repercussão geral.

VICTOR está em fase de construção de suas redes neurais para aprender, a partir de milhares de decisões já proferidas no STF, a respeito da aplicação de diversos temas. O objetivo, neste estágio, é que a inteligência artificial seja capaz de alcançar altos níveis de precisão. A expectativa é que os primeiros resultados sejam apresentados já em agosto deste ano.

A intenção é que o projeto não se limite apenas ao seu objetivo inicial - atuar em camadas de organização de processos para aumentar a eficiência e velocidade de avaliação judicial. Com o desenvolvimento da tecnologia, outros possíveis usos já foram discutidos para VICTOR, mas ainda não revelados.

A expectativa dos pesquisadores e do Tribunal é que, em breve, todos os tribunais do Brasil possam fazer uso da ferramenta para pré-processar os recursos extraordinários logo após sua interposição. VICTOR poderá impactar na redução dessa fase em dois ou mais anos.

Nome

O nome do projeto é uma homenagem a Victor Nunes Leal, ministro do STF de 1960 a 1969, principal responsável pela sistematização da jurisprudência do STF em Súmula. Tal ação facilitou a aplicação dos precedentes judiciais aos recursos que, em breve, será feita pela inteligência artificial. 

#inovação#tecnologia#direito#I.A#A.I#STF#justiça#VICTORFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.