Notícias

< voltar
04/Fev/2019 - 17:00 - Atualizado em 04/Fev/2019 - 18:12

MIT desenvolve pílula que ajuda no emagrecimento

Pílula aumenta de tamanho dentro do corpo e ocupa parte do estômago, reduzindo o espaço disponível e evita consumo excessivo de calorias


Por Redação Belo Horizonte/MG

Sabe aquela dieta que você sempre diz que vai começar na segunda-feira, mas que sempre adia por um motivo ou outro? E se existisse uma maneira mais simples de emagrecer, sem precisar de fazer cirurgia ou muitos sacrifícios?

Parece que, em breve, haverá uma opção. A equipe do professor associado de engenharia mecânica, Xuanhe Zhao, do Massachusetts Institute of Technology (MIT),  desenvolveu uma pílula que diminui o espaço disponível no estômago e evita o consumo excessivo de alimentos.

Mas... como?

Após ser ingerida, a pílula aumenta de tamanho e ganha dimensões aproximadas de uma bola de golfe. Ela pode permanecer no estômago do paciente por um mês, mas por enquanto está em fase de testes.

Quando maior, a pílula ganha consistênca similar ao Tofu
Crédito: Wiki

Segundo o pesquisador Zhao, o grande trunfo da pílula é sua simplicidade: ela é feita de dois tipos de hidrogel, que misturam polímeros e água. Quando ingerida, a pílula adquire uma consistência semelhante a do tofu.

E para sair?

Para remover a “bola de tofu” do estômago, o paciente precisa tomar uma solução à base de cálcio. Dessa forma, a pílula encolhe e volta ao seu tamanho original, permitindo que passe pelo sistema digestivo.

Outros benefícios

Além do benefício da perda de peso, a tecnologia também tem outros potenciais, já que há algum tempo pesquisadores têm buscado desenvolver uma pílula que permaneça por várias semanas e meses no corpo humano.

A ideia é que a pílula carregue equipamentos capazes de monitorar as condições internas do corpo do paciente. Isso garantiria o controle de tumores, por exemplo, ou da ingestão de medicações dentro de seu cronograma, já que muitos pacientes esquecem ou não seguem os tratamentos prescritos.

#MIT#pesquisa#tecnologia#ciência#saúdeFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.