Notícias

< voltar
04/Set/2018 - 15:00 - Atualizado em 06/Set/2018 - 11:21

Maternidade e os desafios de manter-se ativa na pesquisa científica

O 1º Congresso Mulheres na Ciência apresentou a história de três cientistas que, apesar das dificuldades, não largaram a carreira acadêmica


Por Paula Isis/SIMI Belo Horizonte/MG
Rosaline Silva Figueiredo, Giliane Trindade e Bárbara Mendes durante a mesa de debate "Maternidade na ciência"
Crédito: Lucas Nolasco/SIMI

Uma pesquisa realizada pelo Parent in Science (com filhos na ciência, em tradução livre), grupo de pesquisadores gaúchos que analisa a relação entre a maternidade e a ciência, revelou que dos 1.216 docentes ouvidos (64 homens), 75% são mães e que quase metade do total (45%) afirma não ter tempo de trabalhar em casa. Outros 21% só conseguem desempenhar suas tarefas quando os filhos estão dormindo. Quase 60% das entrevistadas avaliam que a maternidade teve impacto negativo em suas carreiras, e 56% dizem que não conseguem cumprir prazos.

No ano passado, foi sancionada a lei que permite o afastamento por maternidade de pesquisadoras. Com a implementação da lei, elas passaram a ter direito a suspender as atividades acadêmicas por até 120 dias recebendo bolsa de instituição de fomento à pesquisa.

Diante destes dados e mediante a realização do 1º Congresso Mulheres na Ciência, na UFMG, entre os dias 27 e 31 de agosto, o SIMI foi até o campus Pampulha conversar com três pesquisadoras da universidade que não só fazem parte das estatísticas apresentadas acima, mas que vivenciam, no dia a dia, a realidade de cientistas que são mães e precisam lidar com a dupla jornada, que convenhamos, é bastante exaustiva.

Bárbara Mendes, Giliane Trindade e Rosaline Silva Figueiredo. Três mulheres cientistas,  que atuam em diferentes áreas do conhecimento, mas com histórias de vida em comum: o desafio de manter em alta a produção científica e a qualificação profissional, enquanto desempenhavam a função de  mães.

Elas se conheceram durante a mesa de debate “maternidade na ciência”, realizada no último dia 29, e de imediato identificaram pontos em comum que arrancaram lágrimas do público presente, enquanto debatiam, também, como superar as diversas formas de desigualdade de gênero na academia.

Bárbara tornou-se bióloga por circunstâncias da vida e teve que lidar com duas gestações durante os estudos: uma ao terminar o ensino médio e outra ao finalizar a graduação. “Entrei em desespero. Era uma formatura e uma gravidez”, brincou.

Ainda na área de ciências biológicas, conversamos com Giliane. Ciente de que não seria fácil conciliar a vida de mãe com a academia, a pesquisadora adiou por alguns anos o plano de ampliar sua família, e assim que decidiu ter uma filha, pouco tempo depois engravidou de uma menininha. Com duas gestações consecutivas, a pesquisadora sofreu com a pressão da possibilidade de encerrar sua carreira devido à baixa produção científica durante o período em que tinha duas bebês em casa.

Aperte o play e confira nosso bate-papo especial: 

Confira galeria de fotos:

#pesquisa#ciência#ufmg#mulheresnaciênciaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.