Notícias

< voltar
25/Fev/2019 - 01:00 - Atualizado em 22/Fev/2019 - 14:57

Parente brasileiro do T-Rex disputa título de dinossauro carnívoro mais antigo do mundo

Nhandumirim waldsangae foi descrito na semana passada no Journal of Vertebrate Paleontology


Por Redação Belo Horizonte/MG
Representação artística, onde um Nhandumirim waldsangae se depara com um pequeno cinodonte Alemoatherium huebneri, que pode ser sua próxima presa
Crédito: Fapesp/Divulgação

Um dos dinossauros carnívoros mais antigos do mundo foi descoberto em terras brasileiras. O Nhandumirim waldsangae, um pequeno bípede que viveu há 233 milhões de anos na área onde atualmente se encontra o município gaúcho de Santa Maria, foi descrito na semana passada na versão eletrônica do Journal of Vertebrate Paleontology.

O fóssil da nova espécie, incompleto e bastante fragmentado, foi descoberto há sete anos por uma equipe de paleontólogos da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Ele foi encontrado no mesmo nível estratigráfico da unidade geológica conhecida como Formação Santa Maria em que foram achados dois outros dinossauros que estão entre os mais antigos do mundo: Saturnalia tupiniquim, descoberto na década de 1990, e Staurikosaurus pricei, coletado nos anos 1930. Ou seja, os três devem ter vivido mais ou menos no mesmo período, na Idade Carniana do Triássico Superior.

Praticamente todos os dinossauros com idade superior a 230 milhões de anos saíram de escavações feitas no Sul do Brasil ou na Argentina, que parece ser o mais provável berço desses répteis extintos. Há apenas uma exceção, Nyasasaurus parringtoni, um herbívoro que teria vivido há 245 milhões onde hoje fica a Tanzânia, na África Oriental. No entanto, a classificação do Nyasasaurus – cujo fóssil não se encontra bem preservado – como dinossauro não é consensual entre os especialistas.

O nome científico Nhandumirim waldsangae remete às características anatômicas e ao local em que foi achado o fóssil da espécie, pertencente a um exemplar juvenil, não adulto. Na língua tupi, nhandu significa ema, uma referência à semelhança geral que os dinossauros bípedes apresentavam com as chamadas aves ratitas, que não voam. O termo mirim, também de origem tupi, quer dizer pequeno, alusão ao porte modesto do animal, com no máximo 1,5 metro de comprimento. Já o termo waldsangae faz referência ao sítio paleontológico Waldsanga, às vezes também denominado cerro da Alemoa, onde esse e outros importantes fósseis de Santa Maria foram encontrados.

Representação esquemática dos ossos preservados do esqueleto de Nhandumirim waldsangae
Crédito: Fapesp/Divulgação

Por se tratar de um fóssil bastante incompleto, composto basicamente de ossos do tronco e da pata esquerda do réptil, e oriundo de um exemplar não adulto, que, portanto, ainda não terminou de crescer, os pesquisadores tiveram alguma dificuldade de classificar a nova espécie entre as primeiras linhagens conhecidas de dinossauros.

No entanto, algumas características anatômicas identificadas em Nhandumirim, sobretudo na região do tornozelo, levaram os paleontólogos a colocá-lo dentro do grupo dos terópodes, carnívoros bípedes que, posteriormente, deram origem a dinossauros muito conhecidos, como Tyrannosaurus rex e Velociraptor mongoliensis, além das aves.

A espécie Eodromaeus murphi, encontrada na Formação Ischigualasto, no noroeste da Argentina, é outro terópode com idade superior a 230 milhões de anos, que disputa com o Nhandumirim o posto de dinossauro carnívoro mais antigo do mundo.

#pesquisa#USP#Dinossauro#UFSMFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.