Notícias

< voltar
21/Ago/2018 - 08:00 - Atualizado em 21/Ago/2018 - 10:02

Pequenos negócios estão buscando a digitalização, aponta pesquisa

Pesquisa do Sebrae mostra que empresas estão usando as redes sociais para crescer seus negócios; confira outros dados


Por Renato Carvalho/SIMI Belo Horizonte/MG
Grande parte das MPEs usa o Whatsapp em seu negócio
Crédito: SIMI

Nos últimos anos, os pequenos negócios no Brasil apostaram na informatização e na utilização de ‘novas’ ferramentas digitais, em especial nas redes sociais. Atualmente, 72% do segmento utiliza o WhatsApp para se comunicar com clientes e 40% das pequenas empresas têm páginas no Facebook.

Esse dados foram apontados pela pesquisa Transformação Digital na MPE, realizada pelo Sebrae entre abril e junho de 2018. A pesquisa avaliou como o setor está envolvido no processo de mudança para a era digital, confirmando o crescimento do grau de informatização das empresas de micro e pequeno porte.

Para conferir a pesquisa completa, clique aqui

Atuação online

O aplicativo WhatsApp e a rede social Facebook são as ferramentas mais usadas pelas MPEs na divulgação de produtos e serviços. Também são aproveitadas para estreitar o relacionamento com os clientes e ampliar vendas. Por outro lado, apenas 27% das empresas têm página na internet.

Outro dado importante é que 90% das MPEs utilizam celular em seu negócio. O número é maior que as empresas que usam computadores, 74.%. Tablets aparecem apenas como 12% do uso em negócios. Quando se fala em acesso à internet, 82% das empresas estão conectadas. O acesso mais frequente na rede se dá pelo celular, 43%.

Fonte: Sebrae

Apps mais usados

Entre os aplicativos mais utilizados nos celulares pelas MPEs, o Whatsapp desponta na frente com 75% das escolhas. Facebook vem logo em seguida com 57%, Google Maps surge em terceiro, com 41%, MercadoLivre, 40%, Youtube, 39%, Instagram, 39%, Skype, 15%, Netflix, 15% e Linkined com 9%.

Fonte: Sebrae

Serviços oferecidos

A pesquisa também perguntou quais são os serviços oferecidos pela empresa aos clientes pelo Whatsapp. Entre os pesquisados, 59% disponibilizam informações sobre produtos e serviços da empresa. Atendimento ao cliente online teve os mesmos 59%. Vendas representaram 43% e cadastro de cliente apenas 26%.

Canais para venda

Entre os canais que mais são utilizados para fazer vendas/prestação de serviços onlines, novamente as redes sociais garantiram o pódio. Whatsapp com 39%, Facebook com 19%, Instagram com 6%. O e-mail ocupa a quarta posição, com 6%, e o site da empresa a quinta posição, com 3%.

Uso da internet

Entre as razões para o uso da internet pela empresa, 75% dos pesquisadores responderam e-mail, 63% para pesquisa de preço/fornecedor, 58% para acesso a serviços bancários, 54% para compra de insumos ou mercadorias, 49% para divulgação institucional da empresa e apenas 23% para venda online de produtos.

A pesquisa questionou às empresas quais serviços que não usam e gostariam de usar. Os dois principais aspectos levantados foram a venda online de produtos e a divulgação institucional.

Fonte: Sebrae

Busca de conhecimento

Os empreendedores pesquisados, quando querem aprender algum conteúdo na internet, buscam, principalmente, por vídeos. A mídia foi a opção de 55% dos entrevistados, enquanto apenas 15% prefere textos. Áudio ocupou a preferência de 5% e outros 6% se mostraram indiferentes ao tipo de conteúdo.

Gestão financeira

Outro aspecto levantado pela pesquisa é a maneira como é feita a gestão financeira dos negócios das MPEs. Quase metade das respondentes disseram usar um caderno ou folha de papel, enquanto 27% usam planilhas do Excel e 17% sistemas desktop. Cinco por cento não fazem, 4% usam aplicativos de celular e 3% não sabem ou não responderam.

#pesquisa#tecnologia#Sebrae#negócios#MPE#digitalizaçãoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.