Notícias

< voltar
18/Out/2018 - 09:00 - Atualizado em 19/Out/2018 - 15:05

Pesquisador mineiro participa de mapeamento inédito de répteis brasileiros

De acordo com Henrique Costa, proteger a biodiversidade é também proteger o ser humano


Por Redação Belo Horizonte/MG
“Cobra-de-duas-cabeças” se alimenta de insetos e tem hábitos subterrâneos
Crédito: William Araújo/Minas Faz Ciência

Iniciado em 2005 por Renato Bérnils, da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), o artigo Répteis do Brasil e suas unidades federativas: lista de espécies conta, desde 2011, com a participação do pesquisador e doutor em Zoologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Henrique Costa. O estudo reúne em um único lugar informações sobre as espécies de répteis brasileiros, organizada por vários estados e o Distrito Federal e disponibilizada pela revista científica Herpetologia Brasileira.

De acordo com Henrique, o objetivo da iniciativa é facilitar a busca de profissionais por referências, catalisar os processos de licenciamentos ambientais, estudos de impactos e auxiliar na definição de espécimes encontrados e ou descobertos.

Ao todo, já foram catalogadas 795 espécies, o que eleva o Brasil à terceira posição como país com maior diversidade de répteis, perdendo apenas para a Austrália (1.057) e México (942). Segundo o pesquisador, são descobertos nos biomas brasileiros cerca de 13 novas espécies por ano. Por isso, também, a necessidade de organizar o material.

São espécies como a “Cobra-de-duas-cabeças”, chamada assim por ter a cauda semelhante à cabeça. O réptil é da família Amphisbaenidae, se alimenta de insetos e tem hábitos subterrâneos. Henrique foi um dos descobridores de duas espécies, as quais nomeou como Amphisbaena metallurga (em homenagem aos mineiros) e Amphisbaena kiriri (em referência à etnia indígena do local em foi encontrada).

Além dessas, existem outros répteis curiosos que ocorrem nos biomas brasileiros, como o lagarto Rabo-de-abacaxi, que é menor que uma folha, tem a cauda curta e com espinhos, o que lembra um abacaxi. Segundo Henrique, ele cava buracos e quando se esconde neles, usa a cauda para fechar e entrada e se proteger.

Segundo Henrique, no mundo existem cerca de 11 mil espécies de répteis identificadas e a listagem não é a única. Outros pesquisadores e cientistas fazem o mesmo trabalho no exterior.

"No Brasil, é importante ter o registro para saber onde e como as espécies estão se desenvolvendo, por isso o trabalho não se atém apenas à listagem, mas se dedica ainda à atualização das descobertas", diz o pesquisador.

O trabalho pode ser encontrado na Revista científica Herpetologia Brasileira. Este conteúdo foi publicado originalmente no Minas Faz Ciência.

#pesquisa#inovação#ciência#ufmg#faunaFavoritar

Fonte: Minas Faz Ciência

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.