Notícias

< voltar
11/Out/2018 - 10:48 - Atualizado em 11/Out/2018 - 10:56

Pesquisadores descobrem maneira de apagar lembrança do uso de cocaína

Cientistas da UFMG vêm estudando sistema neural, que desperta a vontade do consumo de drogas por usuários


Por Redação Belo Horizonte/MG
Fabrício Moreira, coordenador da pesquisa, diante das fotos dos colaboradores
Crédito: William Araújo

Cientistas do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG descobriram, a partir de pesquisas experimentais, uma maneira de apagar a memória do uso de substâncias como a cocaína.

Esse estudo abre possibilidade para que novas pesquisas sejam desenvolvidas na área. De acordo com Fabrício Moreira, um dos coordenadores do Laboratório de Neuropsicofarmacologia do ICB e do projeto, o crack - cocaína solidificada - é uma das drogas que mais “sequestra o cérebro” do usuário, impedindo que ele reaja sem ajuda externa.

A memória criada pela droga é forte e há gatilhos que fazem o usuário lembrar da experiência e retornar à cena de uso. Por isso, o estudo age sobre o sistema neural responsável pelas substâncias liberadas antes de algum contentamento. Trabalhar nestes endocanabinoides é buscar a inibição dessa memória.

O estudo não tem como proposta substituir um vício pelo outro, diferentemente de outros fármacos, e nem deletar memórias que não foram criadas pela droga. “A nossa tentativa é desenvolver medicamentos que possam tratar o uso de drogas sem que esses medicamentos causem dependência química nas pessoas”, explica Fabrício, em entrevista ao Minas Faz Ciência.

A próxima etapa da pesquisa é investigar a segurança dessas substâncias.

#pesquisa#ciência#saúdeFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.