Notícias

< voltar
13/Ago/2018 - 07:00 - Atualizado em 10/Ago/2018 - 15:53

Tecnologia desenvolvida na UFMG identifica a qualidade de alimentos

Tecnologia do Instituto de Ciências Agrárias vai permitir identificar características de alimentos, como quantidade de açúcar e acidez


Por Redação Belo Horizonte/MG

Imagine poder saber o teor de açúcar ou de acidez de um alimento, como um tomate, por exemplo, logo no supermercado. Parece um pouco surreal, mas um estudo realizado no Instituto de Ciências Agrárias da UFMG propõe a criação de um modelo para caracterização e avaliação da qualidade de produtos agrícolas.

Os pesquisadores acreditam que, com um celular em mãos, será possível identificar características do alimento a partir de uma fotografia feita em tempo real. Os testes de análises de imagens feitos com tomates já alcançaram resultados positivos.

O estudo usa a mineração de dados para prever resultados. Ou seja, a partir de padrões ou características em um grande conjunto de informações sobre um produto é possível obter respostas.

Segundo o professor do ICA, Rodolpho Tinini, um dos autores da pesquisa, os resultados possibilitariam desenvolver um indicador de análise de imagem computacional para a indústria e criar um sistema de classificação de produtos destinado a redes de supermercado ou até mesmo ao consumidor final.

“Hoje, a verificação é basicamente visual, tanto nas redes de varejo quanto no próprio trato pós-colheita feito na indústria. Substituir a análise humana pela computacional pode tornar o processo mais rápido e mais preciso”, esclarece o professor.

A pesquisa propõe a coleta de dados por meio não apenas de imagens, mas da utilização de outras tecnologias, em diferentes estágios da cadeia produtiva. A proposta é montar uma base sólida de dados que contemple as características ambientais, do solo, da condução e do crescimento da planta e do momento da colheita.

Para a construção do banco de dados, foram analisadas imagens espectrais de tomates. Segundo o professor, com base nos primeiros resultados, já foi possível elaborar um indicador de análise em diferentes estágios de maturação do tomate. “Quanto mais ele reflete, mais se evidencia uma característica, como a cor, a acidez ou a quantidade de açúcar”, diz Tinini.

Os resultados da pesquisa foram publicados no Journal of Agricultural Science and Technology, revista científica internacional especializada em agricultura.

#inovação#tecnologia#saúde#alimentaçãoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.