Notícias

< voltar
01/Ago/2018 - 07:00 - Atualizado em 31/Jul/2018 - 17:56

Tecnologia facilitará a instalação de parques eólicos no Brasil

Filtro em desenvolvimento por pesquisadores da UFU ajuda a otimizar a gestão de custos na instalação de parques


Por Redação Uberlândia/MG

Pesquisadores da Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) estão desenvolvendo um filtro que facilitará a inserção de energia eólica no Brasil. Atualmente, o país ocupa o oitavo lugar no ranking mundial de capacidade instalada de produção de energia eólica, segundo o Global Wind Statistic 2017.

O projeto de pesquisa começou em 2017 e deve durar três anos. Os cientistas estão criando um dispositivo móvel chamado “Filtro Harmônico Multissintonizado para Compartilhamento de Responsabilidades”, voltado para a otimização da gestão de custos na instalação de parques eólicos.

Já existem seis metodologias de compartilhamento de responsabilidades harmônicas, no entanto, o equipamento da UFU inova ao se basear no método Superposição Modificado, que até então existia apenas na teoria.

Atualmente, os parques eólicos são responsáveis por gerir e organizar a qualidade da energia, além de medir eventuais violações dos limites, atenuação de propagação e seguir legislações específicas.

Segundo cientistas, até então não há formas de identificar, de forma adequada, os responsáveis por problemas de qualidade durante a produção de energia. Desta forma, o dispositivo da UFU será usado para compartilhar as responsabilidades referentes aos custos financeiros para manutenção da qualidade da energia, os quais atualmente são pagos quase integralmente pelos parques eólicos.

O filtro da UFU, que deve virar patente, além do uso em parques eólicos, poderá ser adotado em fazendas fotovoltaicas.

#pesquisa#tecnologia#energia#UFU#sustentablidadeFavoritar

Fonte: Minas Faz Ciência

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.