Notícias

< voltar
25/Mai/2016 - 12:45

As doenças da modernidade são discutidas em segundo dia do Pint Of Science

Palestra foi ministrada pelo neurocientista Jonas Jardim de Paula, da UFMG e da FCM-MG, e o professor de educação física da UFV, Maicon Albuquerque


Por Franco Serrano/SIMI

  Maicon Albuquerque, professor de Educação Física da UFV

No Itatiaia Rádio Bar, o segundo dia de Pint of Science foi marcado pelo tema “Cérebro em Pauta: as doenças da modernidade”, com o neurocientista Jonas Jardim de Paula, da UFMG e da FCM-MG, e do professor de Educação Física da UFV, Maicon Albuquerque. Os especialistas falaram sobre transtornos mentais e estímulos cerebrais para exercitar a mente e mostraram, de uma maneira divertida, um pouco de seus projetos e de como funciona a mente humana.

Transtornos mentais
Uma porcentagem muito grande das pessoas já teve, tem ou vai ter algum transtorno mental durante a vida. Eles podem ser de todos os tipos e gravidade, desde a ansiedade até a esquizofrenia. Segundo a OMS, 700 milhões de pessoas sofrem com estes transtornos em todo o mundo. O neurocientista também passou um pouco pelas maneiras de se identificar o TDAH, que é a sua especialidade e objeto da maioria de suas pesquisas.

“Transtornos mentais não são doenças da modernidade. Vamos tentar desmistificar um pouco deste assunto, mostrar que esses transtornos são mais comuns do que imagina e também eliminar diversas crendices populares” afirmou Jonas.

Exercitando o cérebro
Habilidades Abertas. O professor Maicon treinou isso com o público do Itatiaia Rádio Bar. Com exercícios simples como se treina a mente para aumentar o poder decisão, para melhorar a qualidade de vida. “É tão importante esse tipo de iniciativa, como o Pint of Science, porque o que a academia faz é tão distante da nossa sociedade, e é muito bom poder informar as pessoas” finalizou Maicon.

 Favoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.