Notícias

< voltar
16/Dez/2016 - 00:00 - Atualizado em 19/Dez/2016 - 11:00

Cashback ajuda consumidores a economizar nas compras de Natal

Ao receber de volta uma parte do valor gasto em dinheiro, clientes podem até fazer poupança para o início do ano


Por Méliuz Belo Horizonte
“Em dezembro, lojas como Casas Bahia, Netshoes, O Boticário, Ricardo Eletro e Hoteis.com vão oferecer cashback até três vezes maior", explica Lucas Marques, diretor de operações do Méliuz
Crédito: Pixabay

Apesar da crise econômica, o e-commerce brasileiro não tem muito o que reclamar. Segundo dados da E-bit, referência em inteligência de mercado digital, a expectativa é que o faturamento do e-commerce chegue a R$ 8,4 bilhões, no período de 15 de novembro a 24 de dezembro - somente na sexta-feira da Black Friday, já foram R$ 1,9 bilhão.

Para o Méliuz, empresa que devolve em dinheiro parte do valor gasto em compras online (cashback), a previsão está correta. A startup, que movimentou R$ 50 milhões na Black Friday, espera gerar mais de R$ 220 milhões em vendas para os parceiros, durante o Natal. “Em dezembro, lojas como Casas Bahia, Netshoes, O Boticário, Ricardo Eletro e Hoteis.com vão oferecer cashback até três vezes maior. Ou seja, ao receber de volta, em dinheiro, uma parte maior do valor gasto, o consumidor pode comprar mais, dar melhores presentes ou economizar para o início do ano”, explica Lucas Marques, diretor de operações do Méliuz.

Com mais de 1.600 lojas parceiras, o Méliuz já devolveu R$ 23 milhões aos clientes, que utilizam o dinheiro de diversas maneiras. “Já tivemos algumas mães que compraram fraldas e enxoval através do Méliuz e abriram conta poupança para os filhos com o dinheiro que receberam de volta. Um cliente usou o benefício para construir sua casa e uma garota aproveitou o retorno de parte do valor gasto em passagens para levar toda a família para o Rock in Rio”, conta Marques.

Como funciona
O cashback não é desconto, mas sim devolução de dinheiro. Funciona assim: o consumidor se cadastra gratuitamente no Méliuz, procura a loja que deseja dentro da plataforma e faz a compra normalmente. Após a conclusão, o valor a ser recebido pelo cliente aparece em seu extrato no Méliuz como pendente. Quando a loja confirma o pagamento, o saldo é aprovado e, ao completar R$ 20 em sua conta do Méliuz, o cliente pode solicitar o resgate e receber o valor direto na sua conta bancária, sem pagar nada por isso.

Para garantir o dinheiro de volta, o consumidor tem sempre que entrar na loja pelo site do Méliuz ou ativar o cashback por meio do “Lembrador”, plug-in que lembra o consumidor cadastrado no Méliuz de ativar o cashback quando entra no site de lojas. Isto não altera o preço anunciado, mas permite que o parceiro saiba que aquela compra foi feita a partir do portal.

Sobre o Méliuz
Lançado em 2011, o Méliuz é uma empresa que disponibiliza, gratuitamente, cupons de desconto das melhores lojas online e ainda devolve ao consumidor parte do valor gasto em compras, direto na conta bancária (cashback). A proposta é simples: as lojas pagam para anunciar nos sites e toda vez que o cliente faz uma compra por meio deles, a empresa de cashback devolve ao usuário parte desse valor em dinheiro.

Criada por Ofli Guimarães e Israel Salmen, que se conheceram na Faculdade de Economia da UFMG, a empresa tem hoje mais de 80 funcionários que garantem um dos atendimentos mais bem avaliados do país (de acordo com o Reclame Aqui).

Em 2016, os fundadores do Méliuz foram aprovados no 63º Painel Internacional de Seleção (ISP), em Dubai, e tornaram-se Empreendedores Endeavor. A organização sem fins lucrativos contribui para o crescimento de negócios de alto impacto ao redor do mundo - atualmente 1.233 empreendedores de 25 países fazem parte da rede.

Em novembro, o Méliuz foi eleito, por voto popular, Startup do Ano 2016 e ganhou o prêmio de Equipe Fundadora, ambos concedidos pela Associação Brasileira de Startups - Startup Awards. 

Confira matéria da TV Simi com Israel Salmen, um dos responsáveis pelo sucesso da Méliuz:

#belohorizonte#méliuz#promoção#compras#natal#soluçãoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.