Notícias

< voltar
19/Out/2016 - 11:19 - Atualizado em 19/Out/2016 - 13:30

Cientistas da UFMG investigam novas aplicações terapêuticas do guaraná

Financiada pela Fapemig e CNPq, pesquisa revelou atividade anti-inflamatória da planta brasileira e busca o desenvolvimento de novos medicamentos


Por Redação Belo Horizonte
Crédito: UFMG/Divulgação

Amplamente utilizado na medicina popular como revigorante e estimulante físico e mental, o guaraná pode ter novas aplicações terapêuticas. Foi o que descobriram pesquisadores da área de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A pesquisa, que recebe financiamento da Fapemig e do CNPq, comprovou a atividade anti-inflamatória da planta.

O guaraná é uma das plantas com maior número de registro de fitoterápicos no Brasil, porém, todos relacionados à sua ação estimulante. “Estamos agregando valor a uma planta que é brasileira, que tem potencial para o tratamento de outras doenças. Assim, também valorizamos nossa biodiversidade”, enfatiza a coordenadora da pesquisa, Rachel Castilho.

A partir de informações populares de outros usos do guaraná, como analgésico, antitérmico, antimicrobiano, antioxidante e imunoprotetor, investigou-se a atividade do extrato padronizado do pó das sementes do guaraná e seus principais constituintes químicos. A equipe de pesquisadores descobriu que ele inibe o TNF-alfa, uma citocina inflamatória responsável pelo desenvolvimento de diversas doenças, como a artrite reumatoide, colite ulcerativa, psoríase, doença de Crohn, entre outras.

O TNF-alfa desempenha papel chave na inflamação aguda e crônica, por isso muitas pesquisas têm buscado explorar o potencial desse mediador no tratamento de doenças inflamatórias.

“O número de medicamentos desenvolvidos e aprovados para o tratamento de doenças inflamatórias causadas pela TNF-alfa ainda é pequeno, e, além disso, eles têm alto custo e diversos efeitos adversos relacionados. Assim, é um grande passo comprovar o potencial do guaraná na terapia anti-TNF”, explica Castilho.

Pesquisas

Após a realização dos testes em animais, de acordo com os resultados obtidos, o grupo pesquisa a possibilidade de desenvolver um fitoterápico do guaraná. “Mas, se a substância nova identificada no extrato for muito ativa, podemos inclusive criar um fitofármaco”, destaca Rachel Castilho.

Fitofármacos são medicamentos à base de plantas que contêm o princípio ativo isolado, ou seja, uma substância medicamentosa isolada a partir do extrato da planta. Já nos fitoterápicos os princípios ativos não são isolados.

“Não há muitos fármacos disponíveis no mercado tendo como alvo o TNA-alfa. Nossas expectativas são as melhores possíveis: que realmente consigamos desenvolver um novo medicamento a partir de uma planta essencialmente brasileira. É uma inovação”, conclui.

* Com informações da Agência Minas

#pesquisa#ufmg#fapemig#cnpq#guaranáFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.