Notícias

< voltar
09/Ago/2016 - 15:51

Como a história do Skype pode inspirar sua carreira empreendedora

Niklas Zeenstrom, co-fondudador do Skype, utilizou-se da própria plataforma para contar sua trajetória de sucesso durante o Startup Games


Por Matheus Fonseca/Simi

“O medo do fracasso que a maioria das pessoa possuem é normal, mas isso não deve ser um motivo que as impeça de criar sua própria empresa”. Co-fundador do Skype e atualmente CEO e co-fundador da Atomico - empresa que realiza investimento em startups por todo o mundo - Niklas Zeenstrom, com este currículo, pode afirmar isso com categoria.

Durante videoconferência realizada com os participantes da segunda edição do Startup Games, a Olimpíadas das Startups, que aconteceu nos dias 08 e 09 de agosto, no Parque Lage, casa oficial do Reino Unido durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, Niklas contou um pouco da jornada de uma startup até alcançar o sucesso.

Encontrando a melhor saída
Para ele, só o fato de ser um empreendedor já significa ir contra a maré. E, é claro, que na criação do Skype isso não foi diferente: “minha família me questionou se era isso mesmo o que eu gostaria de fazer, se era o negócio que eu gostaria de dedicar todo o meu tempo.”

Mesmo parecendo que você está nadando para o sentindo contrário, ainda segundo Niklas, a realidade das startups que estão nascendo hoje é mais atraente do que na época em que ele começou com o Skype. “A crise na economia e a instabilidade dos negócios tradicionais abrem oportunidades para que novos e inovadores negócios possam suprir necessidades ou despertar novas formas de consumir”, e completa: “por isso, acho que agora é a hora certa para abrir novas empresas”.

Outro fator que contribui para a criação de novos negócios é o surgimento de um novo perfil de clientes. Estes, buscam marcas e produtos que trazem valores e que consigam transparecer isto para os seus consumidores: “você pode notar que essas startups são as que possuem maior sucesso e evidência na mídia”, ressalta Zeenstrom.

De startup a uma empresa internacional 
Ao iniciar a criação do que se tornaria hoje uma das mais importantes ferramentas de comunicação online, Niklas conta que logo de cara já decidiram que o Skype seria internacional: “quando se começa assim, o objetivo de ir além das fronteiras é algo natural para a empresa”.

Além de um ideal, a startup que deseja ser global deve conhecer bem os mercados onde ela quer atuar e, a partir daí, traçar o seu caminho. A proposta que o Skype possui é uma demanda real em qualquer país do mundo: economizar dinheiro em ligações internacionais. Segundo seu co-criador: “apesar de sabermos dessa demanda, foi necessário entender como o negócio  é encarado em cada nicho de mercado que desejávamos atuar”. É aí que a contratação de pessoal assume uma posição fundamental.

Contratar pessoas que possam mapear e trabalhar nos locais onde você quer levar sua empresa é essencial para conhecer os mercados. O Skype começou pela Europa, Ásia, América Latina e só depois foram para os Estados Unidos. E Zeenstrom diz porque: “escolhemos os EUA por último, isso porque quando uma empresa ainda está começando e começa a atuar em um mercado tão diverso e grande, como o americano, aumentam-se as chances dela ser engolida por uma mais madura”.

Leia também:
• Fundador da The Bakery London inspira delegação mineira que participará do Startup Games
• Empreendedores britânicos trocam experiências com participantes do Startup Games 2016
• Vencedor da primeira edição do Startup Games dá dicas para os novos empreendedores

 Favoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.