Notícias

< voltar
20/Jul/2017 - 12:17 - Atualizado em 20/Jul/2017 - 14:39

Debate aborda desafios para garantir investimentos em CT&I

Encontro contou com a presença do presidente do CNPq, do gestor do Instituto Tecnológico Vale, do senador Lindbergh Farias e da presidente da SBPC


Por Renato Carvalho/SIMI Belo Horizonte
Debate trouxe diferentes visões sobre os rumos da ciência no país
Crédito: Renato Carvalho/SIMI

Um dos principais assuntos que surgem durantes as conferências da reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que está sendo realizada na UFMG, são os cortes orçamentários que a Ciência e Tecnologia vêm sofrendo.

Na tarde dessa quarta-feira, 19, uma conferência debateu, especificamente, esse tema na atualidade e também o futuro da área nos próximos 20 anos. O encontro teve a presença da presidente da SBPC, Helena Nader, do presidente do CNPq, Mário Neto Borges, do gestor do Instituto Tecnológico Vale (ITV), Luiz Eugênio de Moraes Mello, e também do senador Lindbergh Farias.

O presidente do CNPq abriu a apresentação destacando três importantes tópicos que guiam os desafios do financiamento da ciência no país: os recursos, a relevância e a cultura burocrática.

Recursos

Para ele, o investimento na ciência, tecnologia e inovação ainda é baixo, comparado a outros países do mundo. Por aqui, há um investimento em torno de 1% do PIB, mesclado público e privado, enquanto na Coréia do Sul, por exemplo, há um investimento na área de 4% do PIB.

Comparação de investimentos, com base no PIB, em CT&I entre Brasil e Coréia

Burocracia

A cultura burocrática também foi bastante criticada por Mário Neto. “As pessoas usam o argumento de que algo sempre foi feito daquela forma e isso acaba travando o processo”.  A falta de fiscalização e controle sobre os investimentos é outro problema levantado pelo pesquisador. “Ainda falta regulamentação. Precisamos de mais recursos e menos burocracia”, disse.

Relevância

O presidente do CNPq afirmou que é preciso dar mais relevância às pesquisas. “Somos bons em transformar pesquisa em conhecimento, mas somos ruins em transformar conhecimento em produtos e riquezas. É preciso ter valor para a sociedade”, disse Mário Neto.

Por fim, ele destacou que o momento para o Brasil despontar na área é agora, já que a pirâmide etária brasileira está mudando. Hoje a maior faixa da população tem entre 24 e 60 anos, faixa que produz riqueza ao país. “Se não investir agora, seremos uma população velha e pobre”.

Brasil investe muito em ciência e pouco em tecnologia e inovação

Investimento privado

Pelo lado das empresas, Luiz Eugênio de Moraes Mello, do ITV, avaliou que mais da metade da exportação brasileira é do setor primário, ou seja, que transforma recursos naturais em produtos primários para serem usados por indústrias. Esses setores, segundo ele, possuem baixos investimentos em CT&I. “A Vale, por exemplo, percebeu que investir na área é crítico para sua sobrevivência”, disse.

Confiança

Mello enfatizou, ainda, que a confiança no Brasil é precária e que falta uma cultura de investimento e aproximação. “Não vejo outras formas de o país avançar sem uma boa relação entre o público-privado. Criar uma relação de confiança para o sistema avançar”.

Prioridades

Ao fim da conferência, a presidente da SBPC destacou que a ciência não é imediata e é necessário priorizar algumas áreas que darão retorno mais rápido à sociedade. Já Lindbergh apontou que a sociedade deve entrar em um debate de ideias e se unir para retirar a CT&I da lista de cortes orçamentários do governo.

#inovação#tecnologia#ciênciaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.