Notícias

< voltar
13/Mar/2018 - 00:00 - Atualizado em 19/Abr/2018 - 16:04

Episódio de Black Mirror se inspira em projeto mineiro

Criador da série conheceu o projeto em que presos pedalam para ajudar a iluminar praça de Santa Rita do Sapucaí, MG


Por Redação
Crédito: Divulgação

Um projeto inovador vem ajudando, desde 2012, na iluminação pública de Santa Rita do Sapucaí, mas também vem inspirando uma das maiores séries da atualidade: Black Mirror. O criador da série, Charlie Brooker, tirou a ideia de gerar energia pedalando em uma bicicleta estática de um presídio da cidade do Sul de Minas.

No episódio “Quinze Milhões de Méritos”, as pedaladas rendem “méritos”, que servem como uma moeda. Uma maçã verde, por exemplo, custa 2.500 méritos na trama. O mesmo é realizado no presídio da pequena cidade. Em troca da redução da pena, os presos pedalam e produzem energia elétrica. A eletricidade produzida ilumina parte de uma praça da cidade. Pedalando o dia inteiro, os presos conseguem produzir energia para acender seis lâmpadas.

De acordo com o diretor do presídio, Gilson Rafael Silva, o projeto ajuda no controle da ociosidade, e a cada 16 horas pedaladas eles têm um dia a menos na pena. Pela lei, os presos não são obrigados a pedalar, mas além de ganharem a remissão de pena, aproveitam para se manter em forma, o que mudou o clima no presídio. “Eles estão se sentindo úteis pedalando. Estão ganhando remissão e produzindo energia, energia saudável. Hoje se fala muito em sustentabilidade”, diz o diretor.

E você já pensou em gerar sua própria energia? Segundo a revista Super Interessante, aparelhos caseiros como o K-Tor Power Box (US$ 200) geram 20 watts de potência, o que de acordo com a revista é o suficiente para carregar quatro smartphones.

#energia#blackmirror#geraçãodeenergia#sntaritadosapucaíFavoritar

Fonte: G1 e Super Interessante

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.