Notícias

< voltar
24/Abr/2017 - 10:00 - Atualizado em 24/Abr/2017 - 10:35

Fapemig lança chamada conjunta sobre Biobased Water Technology

Interessados têm até 12 de maio para se inscrever


Por Redação Belo Horizonte
Crédito: Divulgação/Fapemig

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), em parceria com a Força Tarefa para Pesquisa Aplicada (SIA) da Organização Holandesa para Pesquisa Científica (NWO), lançou a chamada conjunta com o tema Biobased Water Technology.

A iniciativa busca apoiar projetos de pesquisa elaborados conjuntamente por pesquisadores vinculados a instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação/ICTs em Minas Gerais e na Holanda, que configurem cooperação bilateral e estreita. É esperado que a atividade de pesquisa seja conduzida por ambas as partes e que a contribuição do projeto seja uniforme entre Minas Gerais e Holanda.

Os recursos para essa chamada serão de, no máximo, 125 mil euros da parte holandesa, por meio da SIA. Da parte da FAPEMIG também serão investidos até 125 mil euros, utilizando o princípio de “esforço conjunto”, que é o empenho similar de pesquisa (aplicada) dos dois lados e não de despesas iguais para ambos. Sendo assim, as candidaturas devem ser destinadas a uma parceria balanceada, não especificamente em termos monetários, mas com compromissos e esforços equivalentes de pesquisa de ambos os parceiros.

A empresa mineira participante deve apoiar a proposta com uma contrapartida financeira de, pelo menos, 10% do total solicitado à FAPEMIG. Somente as propostas que forem avaliadas como muito boas serão elegíveis para o apoio financeiro.

Inscrições

O prazo final para a inscrição da expressão de interesse via ISAAC-system para a SIA é até 12 de maio, às 14h, de acordo com o horário local na Holanda. Pela Fapemig, o prazo também é até 12 de maio, às 14h, pelo horário de Brasília. Para a candidatura da proposta de pesquisa completa, os candidatos de Minas Gerais devem preencher o formulário eletrônico do Everest, em português, e anexar os documentos complementares.

Em caso de dúvida, entre em contato com a instituição pelo e-mail: aci@fapemig.br. Para acessar a chamada completa, clique aqui.

Biobased economy

A Biobased economy é uma economia em que produtos farmacêuticos, produtos químicos, materiais, transporte de combustíveis, eletricidade e calor e todos os tipos de insumos diários são feitos a partir de biomassa em substituição aos combustíveis fósseis, como petróleo, carvão ou gás natural. Para a chamada, o termo biobased activities é definido como atividades que transformam biomassa da agricultura, água e silvicultura (incluindo resíduos), como resíduos orgânicos sólidos e líquidos, em produtos de maior valor agregado, incluindo bioenergia e biomateriais.

Na Holanda, a Biobased economy tem sido amplamente adotada nos últimos dez anos. As razões mais importantes que levaram a essa adoção foram: busca por uma maior sustentabilidade, (redução das emissões de CO2), a consciência da disponibilidade finita dos combustíveis fósseis, e as oportunidades econômicas oferecidas às empresas holandesas por meio do uso de recursos e resíduos biológicos renováveis.

Durante os últimos dez anos, o setor químico holandês expandiu suas empresas em 30% por meio da introdução de novos produtos no mercado, aumentando a produtividade em mais de 30% e reduzindo o consumo de energia, por tonelada de produto, em 25%.

O Brasil é reconhecido na área de biomassa, o que inclui a produção de etanol biológico derivado da cana-de-açúcar, produção de biodiesel de soja e o uso de madeira e minério de ferro para produção de aço. O país também possui muitos outros fluxos de resíduos que seriam úteis para a biobased economy, mas não são aproveitados (por exemplo, o biogás de resíduos agrícolas, resíduos biológicos sólidos etc.).

#pesquisa#fapemig#chamada#biobasedwatertechnologyFavoritar

Fonte: Fapemig

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.