Notícias

< voltar
12/Jul/2017 - 00:00 - Atualizado em 10/Jul/2017 - 10:28

Fusão de startups faz nova empresa almejar uma movimentação de R$ 1 bilhão

Empresas se uniram para fortalecer posição no mercado de câmbio on-line e consolidar liderança no segmento end-to-end


Por Redação Belo Horizonte

A Câmbio Store e a Bidollar, que movimentaram R$ 125 milhões somados em pedidos em 2016, se uniram para fortalecer a posição no mercado de câmbio on-line e consolidar a liderança no segmento end-to-end – quando toda a transação é feita dentro do próprio site. Após a fusão, o grupo manterá o nome da Câmbio Store e deve movimentar R$ 1 bilhão até o final de 2018.

Em material divulgado pela companhia, a ideia da parceria surgiu em maio de 2017, quando os donos de ambas as empresas se juntaram para discutir perspectivas para o setor. “Percebemos que tínhamos competências complementares. A Câmbio Store tem uma das melhores usabilidades do mercado e a Bidollar traz um sistema de back-end robusto, de fácil escalabilidade”, diz Kenzo Tominaga, fundador da Bidollar.

Nova fatia de mercado

Além de aumentar o marketshare no mercado de câmbio on-line, um dos desafios agora é melhorar a experiência do usuário na hora da compra de moedas estrangeiras pela internet. Como complemento, o compartilhamento de experiências proporcionado pela joint venture funcionará como um trampolim para o desenvolvimento de novos produtos para o setor de viagens e turismo.

Ainda de acordo com a publicação, com um histórico de 100 mil usuários, 87% de recorrência e ticket médio de R$ 5.420, a expectativa da nova empresa é se tornar uma gigante do câmbio on-line no Brasil. “Hoje somos líderes no end-to-end para câmbio de papel-moeda online. Nosso objetivo agora é liderar todos os produtos derivados nesse mercado”, afirma Bruno Ferreira, criador da Câmbio Store.

#câmbio#fusão#stratupFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.