Notícias

< voltar
04/Jan/2017 - 10:42 - Atualizado em 04/Jan/2017 - 13:30

Governo federal abre consulta pública sobre IoT

Iniciativa pretende identificar tópicos chave para a viabilização da internet das coisas no Brasil


Por Renato Carvalho/SIMI Belo Horizonte

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Banco Nacional para o Desenvolvimento (BNDES) criaram um convênio para apoiar a realização de um estudo sobre a internet das coisas (IoT).

O projeto pretende realizar um diagnóstico e propor políticas públicas voltadas para a IoT, “estimulando a cooperação e articulação entre empresas, poder público, universidades e centros de pesquisa”.

A partir disso, criou-se uma consulta pública com o objetivo de identificar tópicos chave para viabilizar a IoT no país. O documento traz um alinhamento de conceitos para o entendimento da internet das coisas e também de várias questões, segmentadas em tópicos, que podem receber comentários de agentes envolvidos no tema para entender os desafios e oportunidades da IoT.

Tais pontos serão considerados e avaliados na fase de diagnóstico e, em um segundo momento, uma consulta pública adicional com foco na priorização de segmentos de aplicações e na construção de planos de ação será lançada. Os resultados da consulta pública serão disponibilizados e discutidos na Câmara IoT.

Os itens em consulta podem ser acessados por aqui. Para participar da consulta pública é preciso se cadastrar no site.

Câmara IoT

Instituída em 2014, a Câmara é um fórum multissetorial com representantes do Governo, iniciativa privada, academia e centros de pesquisa, que tem como objetivos “subsidiar a formulação de políticas públicas, promover e acompanhar o desenvolvimento de soluções de Comunicação Máquina a Máquina e de IoT para o mercado brasileiro”.

#política#consultaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.