Notícias

< voltar
31/Jan/2017 - 09:00 - Atualizado em 01/Fev/2017 - 09:29

Grupo desenvolve bot que monitora despesas de deputados federais

Software aprende a identificar gastos inapropriados dos políticos


Por Redação Belo Horizonte

Um grupo de jovens desenvolveu um bot que pode ajudar a solucionar e acabar com problemas de corrupção. O projeto, desenvolvido a partir de crowdfunding, analisa quando os deputados federais fazem gastos inapropriados com suas despesas.

Chamado de “Rosie”, o bot foi desenvolvido em uma maratona de análise computacional e humana. De maneira simples, ele identifica padrões de gastos feitos pelos deputados e aponta anomalias, que são analisadas caso a caso. Caso o gasto não faça sentido, uma denúncia é encaminhada à Câmara e, após ter uma resposta da acusação, a equipe divulga o ocorrido.

"Fomos ensinando o robô a combater a corrupção. Ele entende padrões e identifica o que está fora", explicou o jornalista Pedro Vilanova, integrante do grupo desenvolvedor. O software ainda está em fase inicial e, até o momento, identifica gastos estranhos com relação às refeições.

Rosie está programada para notar casos como, por exemplo, pagamentos feitos em cidades distantes em um curto espaço de tempo, assim como gastos feitos fora de Brasília enquanto o deputado estava no plenário.

Ainda longe de estar completo, o bot já mostrou bons resultados e identificou 40 anomalias em seus primeiros testes, entre as quais nove reconhecidas pela Câmara. "A gente acredita que a corrupção não começa em milhões. A gente corta desde o início, no momento em que o deputado pode pedir uma nota fiscal para um taxista de R$ 80 quando ele na verdade gastou R$ 40. Se ele souber que tem alguém olhando, talvez não chegue a roubar dinheiro de merenda", disse o desenvolvedor Irio Musskops, que idealizou o projeto.

#tecnologia#política#bot#corrupçãoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.