Notícias

< voltar
09/Jan/2017 - 10:58 - Atualizado em 10/Jan/2017 - 14:46

Inédita em Minas Gerais, pesquisa de bem-estar da população é realizada em Itajubá

Resultados obtidos podem ajudar a construir uma cidade mais inovadora, inteligente e sustentável


Por Redação Belo Horizonte
Crédito: Divulgação/Unifei


Nos últimos 15 anos, pesquisadores e organizações ao redor do mundo vêm propondo indicadores capazes de mensurar, entre outros aspectos, as percepções da população em diversas áreas da cidade. No Brasil, destaca-se a experiência da Rede Nossa São Paulo (www.nossasaopaulo.org.br) com os Indicadores de Referência de Bem-Estar do Município de São Paulo (IRBEM São Paulo).

Em uma iniciativa inédita em Minas Gerais, o Núcleo de Pesquisa de Dinâmicas Empreendedoras da Universidade Federal de Itajubá (NPDE/UNIFEI) trouxe o Projeto IRBEM para a cidade de Itajubá, no Sul de Minas. Foi realizada uma consulta pública através de questionários, englobando 26 áreas do município, como saúde, educação, segurança, lazer, transparência e participação política, entre outros.

O conhecimento obtido a partir deste relatório poderá ser utilizado pelos formuladores de políticas públicas, legisladores, instituições governamentais, não-governamentais e educacionais -educação infantil, fundamental, média e superior-, associações empresariais, de classe e filantrópicas, fundações, diretórios e associações estudantis, business startups, entre outras instituições, para múltiplas finalidades.

A pesquisa tem como principais objetivos investigar, gerar conhecimento e propor novos modelos de cidade (empreendedora, criativa, inovadora, inteligente e sustentável), alinhados com melhores práticas e indicadores de desenvolvimento.

Os resultados da pesquisa podem ser consultados no Relatório Projeto IRBEM Itajubá 2016. Clique aqui.

Mais informações em npdeunifei@gmail.com ou (35) 3629-1440.

#pesquisa#unifei#irbemFavoritar

Fonte: UNIFEI

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.