Notícias

< voltar
05/Out/2016 - 11:58 - Atualizado em 05/Out/2016 - 12:03

Interface acessível produzida pela UFMG vira atração do Museu das Minas e do Metal

Pedras Sabidas acionam narração sobre as características das pedras assim que são tocadas


Por Redação Belo Horizonte

Uma instalação desenvolvida pelo Grupo de Pesquisa Graft, da UFMG, tornou-se atração permanente do Museu das Minas e do Metal, que integra o circuito cultural da Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. O projeto é uma interface interativa que potencializa o contato do visitante, incluindo deficientes visuais, com o acervo.

A instalação é fruto do projeto de pesquisa ‘TI em Museus de Alta Complexidade: MM Gerdau como estudo de caso’, que, por sua vez, integra convênio entre a UFMG e o museu, coordenado pela professora Ana Cecília Rocha Veiga e com participação da professora Paula Odete Fernandes, do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), Portugal.

Interação

O visitante pode manusear cinco pedras da coleção do museu. A suspensão da amostra escolhida aciona, automaticamente, uma narração sobre as características da mesma e dispara textos e imagens ampliadas das pedras na tela do expositor. É possível, ainda, manusear duas amostras simultaneamente, o que proporciona uma avaliação comparativa. 

O protótipo pode ser visitado no Museu das Minas e do Metal, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte de terça a domingo das 12h às 18h, quintas-feiras das 12h às 22h. A entrada é franca.

*Com informações de UFMG e Museu das Minas e do Metal

#pesquisa#ufmg#biotecnologia#mmgerdau#graftFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.