Notícias

< voltar
13/Abr/2018 - 00:00 - Atualizado em 17/Abr/2018 - 10:02

Israel desembarca em Minas para conhecer o ecossistema de inovação

Consultores de Israel visitam o ecossistema mineiro e ficam impressionados com a maturidade dos centros de pesquisa, estudantes e empresários do Estado


Por Alysson Lisboa/SIMI Belo Horizonte

Transformar o ecossistema de inovação de Minas Gerais o mais atuante da América Latina, aliando, sociedade, academia e ações coordenadas. Isso é possível? A resposta é clara: SIM! O melhor é que uma ação inédita já está em andamento em Minas Gerais - o Movem  - Movimento da Nova Economia Mineira. O objetivo é colocar o Estado como líder em inovação no Brasil e na América Latina para gerar mais conexões com universidades e empresas.

Karin Mayer fala durante o Minas Digital Summit
Crédito: Sedectes/Divulgação

Os primeiros passos começaram a ser dados este mês, quando os consultores de Israel Karin Mayer Rubinstein e Amir Ben-Yehuda desembarcaram no Aeroporto Internacional de Confins para uma semana de reuniões na capital. Com agenda lotada, puderam conhecer várias empresas, federações, startups e programas governamentais.

Foram dezenas de horas de reuniões, apresentações, palestras e contato direto com a UFMG, Google, Fiemg, CSEM, Fapemig, BHTec, Sebrae entre outras organizações. De posse dessas informações e com a orientação de Karin e Amir, será elaborado um relato sobre todo o ecossistema mineiro e o Movem.

Karin Mayer Rubinstein e Amir Ben-Yehuda participam de rodada de reuniões com agentes do ecossistema
Crédito: Simi/Divulgação

“Um ambiente surpreendente e único no mundo”

Karin Mayer Rubinstein e Amir Ben-Yehuda são consultores com nível de experiência internacional, responsáveis por mapear empresas de tecnologia e ciência. Esse trabalho começou com a visita de uma comitiva da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes) a Israel.

Em entrevista exclusiva para o Simi (Sistema Mineiro de Inovação), Karin mostrou-se animada com o que viu por aqui. “Visitei universidades, startups, ações do governo e estou realmente muito surpresa. É um ambiente surpreendente e único no mundo", disse Karin. 

Além da reconhecida hospitalidade mineira, Karin destacou a qualidade dos profissionais e interesse em mostrar o que estão fazendo. “São grandes entusiastas. Demonstram grande paixão e comprometimento. Isso faz toda a diferença em um ecossistema de inovação”, conclui a especialista.

Marco Crocco, presidente do BDMG, participou de uma reunião com os consultores
Crédito: Simi/Divulgação

Marco Crocco, presidente do BDMG, participou de uma reunião com os consultores durante o Minas Digital Summit, evento realizado no início do mês, no Hotel Ouro Minas. A conexão entre Minas Gerais e Israel é uma troca de experiências muito rica, destaca o presidente Crocco. “Com esse conhecimento mútuo existem várias possibilidades de atração de empresas para Minas Gerais e, do outro lado, a viabilidade de empresas daqui abrirem mercado em Israel”, completa.

Qual o objetivo do Movem?

Inovação, startups, empreendedorismo e talentos. Essas palavras estão por toda parte, mas quem está realmente fazendo a conexão entre todos os agentes envolvidos, que não são poucos? A proposta do Movem é fazer exatamente isso: Compreender o papel de cada integrante do ecossistema mineiro aumentando a eficácia do ciclo de inovação.

O projeto deu o pontapé inicial trazendo até Minas Gerais a equipe de Israel. O país tem uma cultura voltada ao empreendedorismo que é de impressionar. Israel hoje já se encontra ao lado da China no topo da lista de países com maior número de empresas com capital na bolsa americana NASDAQ. Naquele país, já são mais de 5,5 mil startups que já receberam investimento na ordem de 5,2 bilhões de dólares em 2017.

Ecossistemas não podem ser iguais

Quando a gente observa o sucesso de regiões como o Vale do Silício na Califórnia ou o próprio movimento de startups que vem crescendo na China e Israel, a primeira ideia é tentar encontrar semelhanças, tirar lições e buscar diferenças. O presidente do BDMG destacou que apesar das experiências serem distintas, existem situações que podem ser observadas.

Israel tem forte tecnologia ligada ao cultivo de alimento em áreas de deserto. “Hoje ele plantam, têm áreas que se tornaram produtivas no deserto. Isso pode ser aplicado diretamente, por exemplo, na nossa região do Vale do Jequitinhonha e Mucuri que sofrem com a seca”, finaliza Crocco.

Pontos de destaque do Movem

  • Detectar gaps no ciclo de inovação para atuação estratégica;
  • Alinhamento de todos os atores do ciclo de inovação com clareza em relação ao papel, objetivo e responsabilidade de cada um
  • Clareza nas diretrizes do Estado de Minas Gerais com prioridades e investimentos;
  • Estruturação de um modelo de governança para liderança do plano proposto e alinhamento de ações;
  • Unificação de apresentação estruturada do ecossistema de inovação mineiro com transparência e clareza sobre o papel de cada um.

#summit#israelFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.