Notícias

< voltar
04/Mai/2018 - 13:37 - Atualizado em 04/Mai/2018 - 14:42

Oi Futuro e a aceleradora Farm buscam startups de todo país

Parceria inédita seleciona negócios de impacto social e uso criativo da tecnologia para melhorar a vida dos brasileiros; inscrições vão até 23 de maio


Por Redação

O Oi Futuro, instituto de inovação e criatividade da Oi, e a startup Farm, uma das aceleradoras mais conceituadas da América Latina, anunciaram na semana passada o programa Ahead | Labora Oi Futuro. A iniciativa vai selecionar até dez startups de impacto social para serem aceleradas durante etapa presencial no Rio de Janeiro. Interessados podem se inscrever até 23 de maio pelo site.

Mas qual o tipo de negócio que o programa busca? Qualquer um que tenha em seu produto ou serviço uma solução que ajude a resolver grandes principalmente necessidades e demandas da base da pirâmide socioeconômica. Qualquer negócio que atue no mercado será aceito e, preferencialmente, que façam uso inovador da tecnologia. O Labora/Oi Futuro e a startup Farm terão atenção especial com os temas: segurança, saúde, educação, habitação, alimentação acessível e saudável, cidades para cidadãos (infraestrutura, meio ambiente, mobilidade etc.), geração de emprego e renda e soluções financeiras para classes C, D e E.

Durante o programa, as startups terão uma ampla rede de mentores, investidores e especialistas do mercado. O Lab Oi Futuro tem como sede um espaço de criação, experimentação e colaboração no bairro no Flamengo, no Rio. Além disso, os empreendedores estarão nas mãos de um dos maiores nomes do setor, pois a startup Farm integra a rede Google for Entrepreneurs.

“Em 2017, lançamos o Labora, nosso laboratório de Inovação Social, apostando no empreendedorismo e na inovação para impulsionar iniciativas sustentáveis e escaláveis de transformação social. Ao inaugurarmos nosso espaço físico agora, estamos estimulando também a articulação de redes colaborativas de empreendedores para gerar soluções inovadoras para a sociedade”, destaca Carla Uller, gerente executiva de Inovação Social do Oi Futuro.

Segundo a gerente executiva, apenas no ano passado, o programa ajudou a fortalecer 25 organizações e negócios de diferentes perfis por meio de dois programas de aceleração, executados em parceria com o Yunus Negócios Sociais e com o Instituto Ekloos.

Alan Leite, CEO da Startup Farm, acredita que este programa será um dos mais especiais já realizados por eles. “Esta edição tem a clara intenção de ajudar as startups que se proponham a solucionar os grandes problemas do Brasil, principalmente as startups que gerem valor para a base da pirâmide social", explica.

Além disso, o CEO afirma que o programa buscará ter nesta turma a maior diversidade possível entre os fundadores das startups selecionadas. “Só assim teremos a inteligência necessária para resolver questões tão complexas”, finaliza.

Como funciona o Startup Farm?

O programa é dividido em três módulos:

Com duração de cinco semanas, a etapa Laser focus é uma imersão “full-life” para os fundadores trabalharem focados na construção do modelo de negócios da sua startup, com suporte da Startup Farm e de uma ampla rede de mentores, parceiros e investidores. Essa etapa é presencial e acontece no Rio de Janeiro.

Na fase Get Sales Done, também com duração de cinco semanas, a startup desenvolverá uma estratégia de vendas e definirá as principais métricas de desempenho do seu negócio.

A maior fase é a Fundraising. Com 15 semanas de duração, o objetivo desta etapa é que as empresas aceleradas estruturem uma estratégia de captação de recursos, elaborando uma projeção de necessidade de capital e definam quais os investidores que fazem sentido para o seu negócio.

Após passar por todas essas etapas, as startups se apresentarão a uma banca de investidores e executivos de grandes corporações no Demoday.

#startups#oportunidade#aceleração#startupfarm#oifuturoFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.