Notícias

< voltar
06/Out/2016 - 00:00 - Atualizado em 07/Out/2016 - 12:58

Mário Neto Borges, ex-presidente da Fapemig, é o novo presidente do CNPq

Pesquisador vai substituir o químico Hernan Chaimovic. Nomeação deve ocorrer nos próximos dias


Por Redação Belo Horizonte
Mario Neto Borges durante homenagem do conselho curador na Fapemig. Ao fundo, o atual presidente da instituição, Evaldo Vilela
Crédito: Divulgação/Fapemig


Na última terça-feira (4), o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, anunciou o novo presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).  O químico Hernan Chaimovich deixa o cargo por motivo de saúde e o engenheiro eletricista Mário Neto Borges assume a presidência. A nomeação será publicada no Diário Oficial da União (DOU) nos próximos dias.

"Nós convidamos para assumir a presidência do CNPq o professor Mário Neto Borges. Isso mostra nossa preocupação em fazer com que as entidades vinculadas ao ministério tenham capilaridade e sinergia com as políticas públicas do Estado", afirmou o ministro Gilberto Kassab durante evento em Florianópolis (SC).

Mário Neto Borges foi diretor científico e entre os anos 2008 e 2016, assumiu a presidência da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Neste mesmo período, o pesquisador comandou o Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) entre 2009 e 2013.

Biografia

Graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Mario Neto é mestre em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutor em inteligência artificial aplicada à educação pela Universidade de Huddersfield da Inglaterra. É professor titular da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ).

#pesquisa#ciência#fapemig#cnpq#marionetoborges#mcticFavoritar

Fonte: MCTI

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.