Notícias

< voltar
03/Jun/2016 - 13:42

Primeiro Fab Lab de Minas Gerais estimula a cultura maker

Espaço inovador na Newton, unidade Buritis, conecta mais de 500 laboratórios semelhantes ao redor do mundo


Por Alysson Lisboa / Simi

O projeto Fab Lab nasceu há 10 anos da cabeça do professor do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), Neil Gershenfeld. A proposta era montar um laboratório onde poderia ser construído quase tudo. O projeto recebeu grande adesão dos alunos desse professor e também de outros cursos. Assim, a ideia se propagou rapidamente nos Estados Unidos e depois no mundo.

A Newton montou o primeiro espaço em Minas Gerais, com o selo do Fab Lab do MIT, para prototipagem de produtos com máquinas de corte a laser, impressoras 3D, cortadora de vinil e diversos outros equipamentos. A proposta é levar até o aluno uma experiência ampliada da sala de aula integrando professores e os institutos. Para o coordenador de pesquisa, extensão e inovação da Newton, Jan Diniz a parceria entre o MIT e o Centro Universitário possibilita que mais de 500 instituições ao redor do mundo se unam para troca de experiências, tutorias e compartilhamento de desenhos e projetos. Outro ganho importante é poder reunir cursos distintos na solução de problemas reais. A Arquitetura, por exemplo, tem recebido uma demanda enorme para desenhar, em três dimensões, peças para a engenharia ou braços mecânicos para os alunos do curso de Fisioterapia. “A troca entre as disciplinas é muito rica”, comemora Jan Diniz.

O Fab Lab da Newton partiu de um projeto maior, o Programa Smart Campus Newton, que tem como objetivo encontrar, através da mão dos próprios alunos, soluções que resolvam problemas da instituição. Jan aponta que a iniciativa está ganhando forma e pode contribuir para soluções reais, não apenas dentro da própria faculdade, mas também para problemas da cidade. O professor de fisioterapia George Sabino considera a iniciativa importante para dar ao aluno autonomia para que próprio construa o conhecimento. Os ganhos são muito significativos.

Matheus Gomes, aluno de Engenharia Mecânica, trabalha no Fab Lab como treinee. Para ele, o espaço vem ganhando visibilidade e interesse dos professores que recebem treinamento para operar as máquinas e tornar viável seus projetos acadêmicos.

Open Day
Como contrapartida exigida pelo MIT, o espaço é aberto à população toda quarta-feira, de 09 às 18h, com agendamento prévio, e pode ser utilizado por qualquer pessoa para desenhos e prototipagem. Para agendamento, basta entrar em contato através do número: 31 3508-5835 ou fablab@newtonpaiva.br.

A partir do próximo semestre a instituição irá cobrar pela utilização do espaço. O valor serve para custear as despesas com matéria-prima.

Uma nova escola e um novo jeito de pensar
Conhecida com uma das instituições mais fechadas do mundo, as universidades sempre impuseram barreiras para a troca de experiência e conhecimento com outros centros de pesquisa e seus pesquisadores. As patentes de invenções carregaram o nome da instituição e, dessa forma, trazem prestígio e fama. O que se observa hoje, com a expansão dos laboratórios de prototipagem e a construção coletiva - conhecida como crowdsourcing - é uma tímida mudança nesse cenário.

A cultura maker estimula a troca de experiências gerando ganhos significativos, não apenas para as faculdades, mas também para os alunos e seus pesquisadores. Caso o trabalho dentro do Fab Lab se transforme em produto viável a patente continua pertencendo ao inventor, porém ele é convidado a doar, como retorno a sociedade, o conhecimento adquirido no desenvolvimento da ideia. Dessa forma a roda da inovação gira de forma crescente.

A escola precisa mudar porque a sociedade mudou. Não estamos mais formando alunos para trabalhar com ações repetitivas como na Revolução Industrial. Ações pouco criativas serão atribuição de robôs e máquinas inteligentes. A criatividade, a inovação e a descoberta de soluções são uma inquietação dos alunos e as instituições de ensino precisam ficar atentas a isso. Um novo mundo exige revisão das práticas docentes e o modo de construção do conhecimento. O jovem quer aprender fazendo!

Confira matéria da TV Simi no Fab Lab da Newton Paiva:

Fotos: Fab Lab Newton Paiva/Divulgação

 Favoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.