Notícias

< voltar
30/Nov/2016 - 14:25 - Atualizado em 30/Nov/2016 - 16:49

Projetos de prevenção e combate ao vírus Zika do ICB serão financiados em 2017

7 projetos foram selecionados em edital com foco na prevenção, diagnóstico e tratamento da infecção do Zika vírus e doenças afins.


Por Redação Belo Horizonte
Crédito: Venilton Kuchler/ANPr

Representando mais de 10% do total de aprovações no edital de 'Prevenção e combate ao vírus Zika’, sete propostas do ICB foram selecionadas, que apoia projetos de pesquisa científica e tecnológicos com foco na prevenção, diagnóstico e tratamento da infecção do vírus Zika e doenças correlacionadas, além do combate ao mosquito Aedes Aegypti.

O coordenador do Núcleo de Pesquisa do ICB, Rodolfo Cordeiro Giunchetti, comemora lembrando que este resultado é “especialmente importante pela relevância do tema e pelo momento da falta de incentivo à pesquisa que nosso país atravessa”.

Segundo o professor Mauro Teixeira, do departamento bioquímica e imunologia e um dos pesquisadores com projeto contemplado, a epidemia de Zika pode ser classificada como alarmante, “devido ao alto número de casos de microcefalia e malformação congênita, que causam impactos socioeconômicos significativos e irreparáveis”.

Chamando a atenção para o fato de que as alterações neurológicas promovidas pelo vírus da Zika estão intimamente associadas à morte neuronal, afetando principalmente as células progenitoras neurais, o professor afirma que ainda se sabe pouco sobre o mecanismo de morte neuronal que é induzido por este vírus.

“O entendimento dessa doença passa pelo desenvolvimento de modelos experimentais de infecção por Zika, e mais, que esses modelos poderão ser usados como plataforma para o teste de substancias com atividade antiviral ou anti-doença”, esclarece.

*Com informações ICB/UFMG

#inovação#ciência#edital#icb#zikaFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.