Notícias

< voltar
16/Mar/2018 - 00:00 - Atualizado em 19/Abr/2018 - 15:48

Relatório da UFMG mostra crescimento da participação feminina na pesquisa

Dados do PRPq apontam que a presença feminina em funções de liderança na academia cresceu em seis das oito áreas do conhecimento


Por Redação Belo Horizonte
Crédito: Carol Prado/UFMG

A participação feminina em espaços acadêmicos tem crescido nos últimos anos. Segundo relatório divulgado pela Pró-reitoria de Pesquisa (PRPq) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), de 2007 a 2018, a presença feminina em funções de liderança na pesquisa cresceu em seis das oito áreas do conhecimento.

Entre elas, destaca-se a área de ciências agrárias, na qual a liderança de mulheres passou de 23,68%, no primeiro ano da série, para 41,03%, em 2018. Em grupos de pesquisa das ciências sociais aplicadas, essa presença também cresceu, saltando de 29,51% para 43,18% no mesmo período.

Também na UFMG, dos 2.076 pesquisadores que figuram como inventores nos depósitos de patentes realizados pela Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica, 880 (42%) são mulheres, incluindo docentes, alunas de graduação e pós-graduação.

No entanto, a distribuição por sexo é desigual entre as áreas, e as mulheres ainda concentram-se principalmente nas ciências humanas e na saúde. De acordo com o levantamento da PRPq, a liderança feminina de grupos de pesquisa nas áreas de ciências exatas e da terra, na Universidade, caiu de 33,33% em 2007 para 27,27% em 2018, o que representa uma redução de 6,06%. Contudo, o terceiro maior aumento de grupos chefiados por mulheres na UFMG, nos últimos 10 anos, foi no campo das engenharias, crescimento de 10,11%, tendo passado de 22,73% para 32,84%.

Para acessar o relatório completo e conhecer a história de algumas dessas mulheres, clique aqui.

Crédito: Raíssa César/UFMG

#pesquisa#inovação#mulheres#universidadeFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.