Notícias

< voltar
21/Nov/2017 - 09:51 - Atualizado em 11/Mai/2018 - 09:42

Universidades mineiras estão entre as nove instituições mais empreendedoras de 2017

Mais de 55 universidades participaram do índice de universidades empreendedoras


Por Redação Belo Horizonte
Crédito: Divulgação/UFMG

A Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior) lançou, no início de novembro, o Índice de Universidades Empreendedoras 2017. O documento avalia o grau de preparação das instituições de ensino superior (IES) para desenvolver universitários com maior espírito empreendedor. Segundo a instituição, 55 universidades de mais de 20 estados participaram do projeto. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) se destacou no ranking nacional geral, conquistando a segunda colocação, com 6,90 pontos, dentro de uma escala que varia de 0 a 10.

Outras duas instituições mineiras também atingiram boa pontuação, garantindo espaço no top 10 nacional. A Universidade Federal de Viçosa (UFV) foi considerada a sétima universidade mais empreendedora do país, com 5,91 pontos. Já a Universidade Federal de Itajubá  (Unifei) obteve 5,80 no ranking, ficando na nona posição nacional. Pelo segundo ano consecutivo, a Universidade de São Paulo (USP) alcançou o topo da colocação, com 7,26 pontos.

Para Thiago Villela, um dos embaixadores do Índice, responsável pela disseminação da pesquisa e coleta de dados dentro da UFMG. “Minas está caminhando para ser uma referência no Brasil em termos de apoio ao empreendedorismo e à inovação”. Villela completa, ainda, que além de os resultados permitirem a universidade se tornar um ambiente mais empreendedor, “é também uma forma interessante de se reconhecer o que muitas pessoas estão batalhando para fortalecer dentro das instituições”.

Confira o ranking com as 10 universidades mais bem colocadas do Brasil:

  1. Universidade de São Paulo (USP) - 7,26
  2. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - 6,90
  3. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) - 6,84
  4. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - 6,45
  5. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) - 6,18
  6. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - 6,16
  7. Universidade Federal de Viçosa (UFV) - 5,91
  8. Universidade Federal de Brasília (UnB) - 5,86
  9. Universidade Federal de Itajubá (Unifei) - 5,80
  10. Universidade Federal do Paraná (UFPR) - 5,74

Confira como foi feita a análise

Para a realização do índice, seis indicadores foram mapeados: Cultura Empreendedora, Inovação, Extensão, Internacionalização, Infraestrutura e Capital Financeiro. Os três primeiros mensuram os fatores que influenciam no grau de empreendedorismo de uma universidade. Em contraste, os três últimos medem os aspectos que propiciam o desenvolvimento do protagonismo acadêmico.

Minas Gerais se destacou, principalmente, no eixo de Extensão, pilar que avalia as ações da universidade que promovem projetos para a comunidade, levando ao público conhecimentos adquiridos por pesquisas universitárias. No Top 10 do quesito Extensão, quatro IES mineiras estão em evidência, são elas: UFMG (2º lugar), UFV (3º lugar), UFU (5º lugar) e Unifei (8º lugar).

No eixo Capital Financeiro, que investiga o apoio monetário dado aos âmbitos que incentivam o empreendedorismo pela universidade, Minas também se mostrou forte. As instituições UFV, UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro) e UFMG entraram para o top 10 deste indicador, assegurando as posições de 5º, 9º e 10º lugares, respectivamente.    

Universidades Empreendedoras 2017

Realizada entre junho e agosto deste ano, a segunda edição do Índice Universidades Empreendedoras, foi a maior sobre o tema da Educação Empreendedora na Universidade realizada no Brasil. Nesta edição, a pesquisa foi desenvolvida com as respostas dadas por mais de 10 mil alunos de todos os cantos do país.

Para a presidente da Brasil Junior, Carolina Utimur, o empreendedorismo se apresenta como uma força motriz de mudança diante to atual cenário econômico em que o país se encontra.“Esse índice mostra como universitários, inconformados com suas realidades, sonharam com uma universidade mais inovadora e tiveram a ousadia de se questionar sobre o ecossistema em que estão inseridas, buscando sempre o melhor de si mesmos”, explica.

Ainda de acordo com o projeto, o escopo do Índice de Universidades Empreendedoras vai muito além de estudar o quão empreendedora é uma instituição. Visa-se, também, trazer propostas, exemplos e ideias claras de como é possível melhorar as universidades, bem como averiguar as possibilidades de progressão dos padrões e modelos de formação.

#empreendedorismo#ufmg#unifei#ufv#universidadesempreendedorasFavoritar

Comentários

As opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores, não serão aceitas mensagens com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Clique aqui para acessar a íntegra do documento que rege a política de comentários do site.